Etiquetas

"Deportación de los Huarpes" (1) 1865-1936)Cuando vayan mal las cosas (1) 9 de octubre de 2016 Dolor. Partió (1) Adan Echeverria (1) adela margarita salas (1) Adela Margarita Salas La Matanza (1) Aidenor Aires- Bahía -Brasil (1) Aidenor Aires/ Goiânia (1) Aldo Novelli (1) Alejandra Burzac (1) Alejandro Lavquén Santiago/ Chile (1) Alexandra Botto - Monterrey (1) ALMA KARLA SANDOVAL ARIZABALO México (1) Álvaro Olmedo (1) Ana María Odo / Buenos Aires (1) Ana María Parlamento/ Buenos Aires Argentina (1) ANAMARÍA MAYOL San Martín de los Andes en la Patagonia /Argentina. (1) Andrea Trotta (1) Antonio Gabriel Guzzo Ruiz (1) Antonio Gabriel Guzzo Ruiz San Juan Argentina (5) Argentina (2) Autoridades de Cultura de la Provincia (1) B i b i A l b e r t// Buenos Aires Argentina (1) Bicentenario de la Independencia Argentina . VIVA LA PATRIA (1) Blanca Cecilia Pineda (1) Brasil (1) Bs. As. Argentina (1) CABALLOS EN LA HISTORIA Y LA LEYENDA / A MI HIJO JAVIER (1) CABALLOS EN LA HISTORIA Y LA LEYENDA / A MI HIJO JAVIER -( La leyenda) (1) Cactus/ San juan Argentina (1) Carlos Adolfo Cid (1) DAMIÁN C. LÓPEZ / Argentina (1) Daniel Alarcón Osorio (1) DECIMO ENCUENTRO COMUNITARIO INTERNACIONAL ENTRETEJIENDO IMAGEN Y PALABRAS (1) Día de la MUJER- / María Esther Robledo B. (1) Diciembre de 2016 ¡Feliz Navidad!/ ¡Feliz año 2017! (1) Dolor. Dolor. Partió (1) Dra. Berta Kleingut de Abner diserta sobre BORGES JUSTICIA POETICA. (1) EL DECIMO ENCUENTRO COMUNITARIO INTERNACIONAL HUGO MUJICA-- SAN JUAN ENTRETEJIENDO IMAGEN Y PALABRAS (1) El horcón de mi hogar (1) El Verso Toma la palabra (1) Enriqueta Noemí BorrelloSan Martín. Pcia de Bs. As. Argentina. (1) Entretejiendo Imagen y Palabra (1) escritora colombiana (1) ESCRITORES-María Esther Robledo B. (1) Escuela Luis Vernet/ Pocito /La Rinconada / Provincia de San Juan (1) Fundación de San Juan Argentina--Robledo María Esther B (1) Goiás (1) Graciela Susana Puentes (1) Graciela Urcullo (1) Graciela Urcullu (1) Gregorio Angelco (1) Gregorio Angelco/ Renca / Santiago / Chile (1) HIMNO A SARMIENTO (1) Hugo Mujica (3) Hugo Mujica Buenos Aires/Argentina (1) Inauguración del VI Encuentro Entretejiendo Imagen y Palabras (1) Ing. Martín Alejandro Guzzo (1) Insentivar la lectura y creatividad (1) Irene Raquel Gerschon (1) Jorge Ariel Madrazo (1) Jorge Claudio Simiz (1) Jorge Leonidas Escudero (4) Jorge Leonidas Escudero / Nuevo libro (1) JORGE LEONIDAS ESCUDERO Sanjuan Arrgentina (1) JOSE ALBERTO CHIRINO (1) José Ángel Fernández Silva (1) Juan Bautista Melo Brandan (1) JUANY ROJAS La Florida Santiago Chile (1) lanca Pineda y Vilma Truncellito /Colombia - Argentina (1) LAURA OROBIA-CÓRDOBA/ ARGENTINA (1) Leonel Ramírez Cerquera (1) LILA LEVINSON (1) LILIANA ELIZABETH DIAZ (1) Liliana Josefa (1) Los escritores de ENTRETEJIENDO IMAGEN Y PALABRAS en las aulas. (1) Lourdes Aquino (1) Lucía Dolores (1) Lucía Dolores QUIROGA/ Buenos Aires Argentina (1) Lucila Rosario Lastero (1) Luis Holgado (1) Luz Amparo Carranza G. Encuentro Entretejiendo (1) Luz Amparo Carranza Guerrero/ Bogota- Colombia (1) Ma familia. Mis hijos (1) Magdalena Fuentes (1) Marcela Garcia Ferré (1) Margarita Inés Roledo (1) Maria Alejandra Araya (1) María del Carmen Suarez (2) María Esther Robledo B (2) María Esther Robledo B. (2) María Esther Robledo B. /San Juan Argentina (1) María Eugenia Hernandez Salais (1) María Eugenia Hernández Saláis / México (1) María Josefina Benavidez de Robledo (1) María Silvia Paschetta (1) María Silvia Paschetta /Cordoba Argentina (1) Mariano Rodrigo Mariani (1) Marta Noemi Merigo (1) Marta Renée Cámpora/ San Juan (1) México. (1) Miro alrededor -- María Esther Robledo B. (1) Nélida Astorga de Chirino /San Juan Argentina (1) Noemí Brawn (1) Nora Adriana Lucero (1) Nora Lucero (1) Norberto Antonio / Rosario / Santa Fe /Argentina (2) Nuevo León (1) Pablo Maldonado y Belén Ramet (1) Partió (1) PERSONAL DIRECTIVO DOCENTE Y ESPECIAL DE LA ESCUELA MALVINAS ARGENTINAS (1) Poema SI - IF Rudyard Kipling en español e ingles (1) Poemas y Comentario del Libro Huella De María Esther Robledo b. (1) Ponencia: MARÍA DELCARMEN ZUAREZ (1) Presentación del Libro “El monte de los retratos" (1) QUIROGA (1) Raffaele Beretta (1) Ramon Alejandro José (1) Robledo María Esther Premio Hans Christian Andersen 2016 (1) Rubén Darío en su centenario María Esther Robledo B. (1) Rubén Darío/Mes febrero / María Esther Robledo B. (1) Rudyard Kipling El libro de la selva (1) Rudyard Kipling (India (1) San Juan Argentina abre sus puertas para entretejer imagen y palabras (1) Sanjuanino (1) se fue un amigo. Victor Condat Nobre (1) se fue un amigo. Victor Condat Nobre (2) Se fue. Poema de María Esther Robledo B. (1) Sergio Soler (1) SONIA PARISI Mendoza – Argentina (1) Teresa del Valle Drube (1) Tucumán / Argentina (1) Valeria Zurano Buenos Aires Argentina (1) VI Encuentro entretejiendo imagen y palabras (1) Vilma Truncellito (1) Vilma Truncellito y Liliana Garcia Nudelman (1) Zeppilli (1)

viernes, 25 de marzo de 2011

Aidenor Aires- Bahía -Brasil

















Aidenor Aires- Bahía -Brasil


ELEGIA VIII



O menino brincava entre frutos verdes


O menino brincava entre frutos verdes
e promessas álacres de pássaros.
O pai, em seu navio de alvíssaras,
reunia tropa.
Recolheu o ruído ruminante dos arbustos,
abençoou os filhos e virou as costas
em rumo de distância, estrada e esquecimento.

O menino leu o inventário de coisas proibidas.
Meteu-se pelas moitas. Na mão trêmula,
os ovos lilases da codorniz.
O menino empolgou seu bodoque
e disparou pelotas no copado da árvore
onde chilreava uma tentativa de primavera.

O menino vadeou os rios, riachos.
A sombra do pai se esgarçou no vento,
se esgarçou nos olhos
e ficou morando, em voz esfiapada,
no pensamento.

O menino, então, foi ficando homem antes do tempo.
Segurou o choro, que homem não chora.
Segurou o medo, que a vida pede valentia.
O menino encurtou o tempo,
apressou horas,
abreviou os dias.
O menino se acercou da morte
na vida que vivia.
Recompôs seu pedaço de infância
num poema,
e entendeu
que a dor se disfarça,
mas não alivia.

O menino nunca mais foi menino.
Simulava infância quando a hora exigia.
Abraçava passarinhos, consultava flores,
mirava horizontes
em naves de turva alquimia.
O menino nunca se perdeu. E foi sozinho
que atravessou o dia feral,
o alheio mundo.

E foi sozinho que decifrou o amor.
Não teve amor de infinito ideal e diva chama.
Teve um amor de menino
e, até hoje, é este amor de riso infantil
e inseguro gesto
que oferece ao peito de quem ama.

Ficou homem e sozinho, por isso ainda é um menino
de olhos de horizonte.
Ainda é um menino que constrói caminhos.
Não aprendeu a crescer e demorou no berço.
Não aprendeu como fazer a barba,
como iscar o anzol, como entender a viagem dos peixes.
Não aprendeu a decifrar o mistério das mulheres
e ficou sempre aprendendo vozes
e inventando palavras
para falar com elas.

O menino foi ficando homem antes do tempo.
O homem esqueceu-se, um dia,
na alma do menino em que existia.
Ao mundo, foi mandado caminhar, sem pés.
Ao mundo foi mandado nadar, sem braços.
Ao mundo foi ordenado voar, sem asa




ELEGIA XII


Ergo um lamento aos deuses mortos

Ergo um lamento aos deuses mortos.
Não desfrutaram a inteira infância dos homens.
Estou levantando um canto de pesar
aos deuses precocemente sepultados.

Estavam ainda na alvorecente atmosfera
de criações e inventos.
Eram deuses de almas de barro e estrelas.
Habitavam a casa dos homens, amavam suas mulheres,
divertiam-se imaginando e desfazendo mundos.
Eram deuses trágicos de lirismo e paixão.
Iam desenhando mares, semeando montanhas,
despertando sementes e árvores
em uma enorme oficina de ferramentas gestantes.

Estou chorando a ausência dos deuses coloridos,
de plumas, que se faziam em água, terra, águia,
serpente alada, arco-íris de retumbante trovão e chuva.
Os deuses que ainda não haviam inventado as horas
e permaneciam atarefados urdindo ventos, refazendo bichos,
em exercício de gerar o ser perfeito.

Colhiam de seus inventos as primícias
de terra, água, fogo, madeira e lodo,
naquele cio onde o nada sonhava caber tudo.

Lamento a desaparição daqueles deuses jovens,
que ansiavam inventar-se delirando mundos.
Foram, de repente, arrojados ao escuro
Orco onde as almas apodreciam.
Depois de consumir as carnes, despovoar a terra,
extinguindo a casa do mistério,
aqueles deuses adolescentes e soberbos
padecem o inquieto exílio sem esquecimento.

Outros deuses, enfastiados de geração e tristes,
tentaram inventar um mundo
com as cinzas de suas crenças.
Calaram a orquestra do caos sonante.
Fecharam a oficina feérica.
Impuseram sua preferência de sombra, sua apologia de dor,
seu gozo de remorso,
sua unção de culpa.

Lamento a extinção daqueles deuses
capazes de paixão, amor e desatinos.
Aqueles deuses moradores de seu tempo redondo,
de suas eras sem esquinas.
Lamento a perda do livre dom da poesia,
dos templos estelares mirando o firmamento.
Lamento a oclusão das almas
nos nervos ajoelhados.
E estou erguendo um lamento aos deuses infantis
assassinados
uma elegia doendo na memória
de um tempo sem futuro e sem passado.

Aidenor Aires nasceu em Riachão da Neves, Bahia – Brasil, em 30/05/1946. Bacharel em Letras e Direito pela Universidade Católica de Goiás. Presidente da União Brasileira de Escritores de Goiás. Membro da Academia Goiana de Letras e Academia Goianiense de Letras. Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás. Obra: Reflexões do Conflito, 1970; Itinerário da Aflição, 1973; Na Estação das Aves, 1973; Lavra de Insolúvel, 1994; Rio Interior, poemas; Amaragrei, 1978; O Canto do Regresso, 1979; Tuera – Elegia Carajá, 1980; Aprendiz do Desencanto, 1982; Os Deuses São Pássaros do Vento. 1984; A Árvore do Energúmeno, contos, 2001; Via Viator, 1986; O Dia Frágil, 2005; Seleta Poética, antologia, 2005; XV Elegias, 2007; Seiva Resguardada, tradução, 2007; Mínimo Olhar, crônicas, 2009.

No hay comentarios: